2 de ago de 2007

Bilbao

Bilbao é uma cidade polêmica, bem no lado oriental da península Ibérica, que costuma causar reações bem adversas em quem a visita. Mas não há como negar o porquê de estar entre as queridinhas dos arquitetos: a cidade toda é uma incrível mistura arquitetônica, resultado de seus mais de 700 anos de história.
Um bom começo para quem a vê pela primeira vez é percorrer a pé o Casco Viejo ou melhor, o centro antigo, onde ficam as construções mais históricas da cidade e seu internacionalmente famosos – e moderníssimo - Museu Guggenheim. O ponto de partida pode ser a própria estação de metrô Viejo, bem no meio de tudo que há de mais interessante em Bilbao: saindo dela, você desemboca direto no Paseo Del Arenal e dá de cara com a imponente igreja de San Nicolas, do século XVII. Mas tem que fazer o passeio todo a pé mesmo, como todo bom viajante que se preza faz – até porque o centrinho tem muitas ruelas imperdíveis para você se perder – com o perdão do trocadilho, é claro. A rua principal é a calle Libertad, que concentra várias das atrações da cidade, como a Plaza Umamuno e a escadaria Calzadas de Mallona, que leva até à Basílica de Begoña – respire fundo: são mais de duzentos degraus.
A Plaza Nueva é o ponto de encontro de todo mundo, turistas e moradores, principalmente os mais jovens. É em seus muitos cafés e restaurantes que quase todo mundo para para comer ou apreciar o movimento ao longo do dia. O happy hour de final de tarde também costuma ficar concentrado por ali. Para quem curte um museu, não é só de Guggenheim que vive a cidade: o museu Vasco conta grande parte da história da cidade e do país.
Mais duas paradas “religiosas” devem figurar no seu footing: a Iglesia de San Antón y el Puente, do século XIV e estilo gótico, e a Catedral de Santiago, que fica no meio do caminho para Santiago de Compostela e é a mais antiga de Bilbao.
Antes do gran finale, pausa no Mercado da Ribeira, de 1929, com seus absurdos 12 mil metros quadrados, e o Teatro Arriaga, de importância histórica e palco de apresentações interessantes no verão, muitas delas gratuitas. Claro, não há como ir a Bilbao e não visitar o Guggenheim: até porque só a parte externa dele, com sua gigante estrutura metálica na beira do rio Nervión, já vale a visita. Mas não deixe também de visitar suas galerias internas, concluídas no final da década de 90 – aberto de terça a domingo até 20h, custa 10 euros.

2 comentários:

Diogo disse...

...e é pertinho de San Sebastián, uma cidade que tem tanta gastronomia quanto Paris e NYC!

Bjos

Marcio Nel Cimatti disse...

Esse Guggenheim, fiquei devendo essa visita. Passei perto de conhecer.

Tô arrependido até hoje de não ter ido lá!!!

Agora vou ter que volta! Hehehehe!