10 de fev de 2013

Como viaja a geração Y


Tudo bem que esse papo de geração X e geração Y já cansou e que quem está na casa dos trinta  cada hora é colocado numa geração diferente. Mas essa semana vários jornais publicaram os resultados de uma pesquisa da consultoria Mapie que pode ser do interesse, sim, dos leitores aqui do blog: como a geração Y encara a hotelaria hoje. A consultoria entrevistou brasileiros nascidos nas décadas de 80 e 90 (cerca de mil pessoas das classes A, B e C, sendo 68% com idade entre 24 e 32 anos) com perguntas sobre o que levam em consideração na hora de escolher um hotel, independente do destino.

Apesar do mix curioso de classes sociais, formação, cargos e idade, no saldo final o hotel ideal para essa turma deve ter design contemporâneo, wifi (preferencialmente rápido e grátis) e muitas tomadas (yes!). Amenities de boas marcas e opções de refeições/alimentação saudável também aparecem na listinha como aspectos muito importantes. Já spa, piscina, fitness room, canais da  TV aparecem como irrelevante/pouco importante para os entrevistados. Check in/out e a reserva em si foram catalogados como a parte mais chata de uma hospedagem.

Que hoje somos todos mais exigentes quanto à tecnologia e viajamos cada vez mais carregados de gadgets é fato. Internet boa (e gratuita, de preferência) faz tempo que deixou de ser exigência do viajante de negócios para ser necessidade da maioria dos turistas. Mas é surpresa (boa) ver que, embora eles viajem cada vez mais buscando integração com o destino (o que pressupõe obrigatoriamente passar mais tempo na rua durante a viagem), essa geração quer mesmo é um hotel cheio de estilo – e funcionalidade, é claro.

Bom mesmo que a hotelaria brasileira se ligue nisso, e rápido: se nessa faixa etária, enquanto constituem cerca de 10% da ocupação das redes hoteleiras por aqui, já têm essa visão sobre a experiência em hotelaria, em dez anos, quando representarem 60% da ocupação hoteleira brasileira, as exigências a esse respeito serão ainda mais intensas. 

3 comentários:

Anônimo disse...

Mari, como eu organizar minha próxima viagem, percebi que, mesmo nos hotéis mais remotos e simples e as casas rurais têm acesso wifi free. Eu esperava encontrar um pequeno hotel pequeno, rústico, longe de toda a civilização, limpo com uma boa praia pra perder-me e sem wifi ... e eu não encontrei.
Beijos
Carmen L.

Anônimo disse...

Agora eu vejo que eu não sou da geração Y..................
Carmen L.








Mari Campos - Pelo Mundo disse...

Pero és como se fuera, Carmen, como se fuera ;)