20 de ago de 2007

Economia, sim; mixaria, não

Economia em viagem é importante, sim, até para que possamos viajar constantemente. Mas viajar é sinônimo de férias, de prazer, e não de sofrimento. Quem quer economizar viajando, tem que pensar sempre na relação custo-benefício e não necessariamente nos menores valores. Preços exageradamente baixos podem levar a roubadas em alguns casos:
1)Dormir no trem pode significar uma noite a menos de hotel mas também uma big dor nas costas: de vez em quando, não tem problema, é claro; mas fazer disso um hábito numa viagem é uma tremenda bobagem.
2) Concordo que ir e vir no trajeto aeroporto-hotel-aeroporto de táxi representa uma grana considerável no orçamento da viagem, quando são muitos os destinos e paradas. Mas fazer tudo de metrô, com trocentas conexões, zilhões de escadas e nenhum elevador é de estressar qualquer um. Se o táxi for caro para você e sua bagagem for grande ou muito pesada, cheque pelo menos opções em trem direto à estação central ou shuttle bus até o centro da cidade. Um táxi de lá até o seu hotel sairá baratinho,certamente. Ou, em último caso, abuse do metrô na chegada, quando sua mala ainda está levinha, e guarde dinheiro para o táxi da volta, quando estiver sobrecarregado de bagagem.
3) Comida é mesmo uma coisa cara para brasileiros em muitos destinos. Mas ficar se entupindo de fast food numa viagem é perder metade da graça. Não, isso não quer dizer que você TENHA que gastar seu dinheirinho nos restaurantes mais bam-bam-bans do destino; mas existem inúmeras outras opções para comer apreciando os sabores locais. Comida de rua é uma opção: são sempre pratos típicos a preços baixos – mas, é claro, só coma onde tiver fila; não vá arriscar sua saúde na viagem por pão-durice. Supermercados também são uma maravilha: os preços são baixos e você pode ver de pertinho o que realmente os moradores dali comem no seu dia-a-dia e experimentar uma coisa de cada vez, sem detonar seu orçamento. E, por fim, aposte nos restaurantes com menu fixo: você pode fazer sua refeição prazeirosamente, com boa comida, num bom ambiente, com calma, e pagar pouco no final. Só não caia na roubada de ir comer onde estiver cheio de turistas: para provar de fato a culinária de uma cidade ou país, e gastando pouco, você tem que procurar os lugares onde os moradores vão.
4) Andar é uma delícia, sim, e a melhor forma de conhecer qualquer destino. Mas muito cuidado à noite: se você gosta de voltar das baladas na alta madrugada e o local onde você está não tem transporte público neste horário, evite andar longas distâncias à pé. Por mais seguro que seja o local, turistas à pé em locais desertos altas horas são um convite à assaltos. Seja esperto. Volte mais cedo ou economize durante o dia para tomar um táxi na volta.
Sua viagem tem que ter custo-benefício, dentro de seu orçamento. Mas devem ter, acima de tudo, prazer.

3 comentários:

Marcio Nel Cimatti disse...

Mari,

Mandou bem!!! As vezes a economia sai bem caro!!!

Tem que curtir a viagem e não ficar 24hs fazendo conta e preocupado com a grana.

Bjo!

Diogo disse...

Concordo em gênero, número e grau.

E nunca é demais lembrar, porque tem gente que volta e meia se esquece de alguns detalhes importantes...

Bjos

patsy disse...

Tem que se organizar, porque depois se arrepender porque nao entrou em um lugar ou nao experimentou uma comida, eh horrivel!!!

Tem que ter prazer. A vida eh muito curta.

Mas se nao tiver grana e desejar pegar a estrada, eh se programar e ir, sabendo que tera que economizar, ja fiz vigens MUITO economicas e nao me arrependo disso, porque sabia desde o comeco como seria ;)

um beijinho pra vc mari...