18 de jul de 2012

A poesia de Valparaíso

 "AMO, Valparaíso, cuanto encierras,
y cuanto irradias, novia del océano,
hasta más lejos de tu nimbo sordo.
Amo la luz violeta con que acudes
al marinero en la noche del mar,
y entonces eres -rosa de azahares-
luminosa y desnuda, fuego y niebla."
(Pablo Neruda)
 É chavão ultra comum nas operadoras e receptivos santiaguinos: "brasileiros não gostam de Valparaiso". E taí algo que nunca entendi: como não ver poesia nas casas coloridas, nos grafites, nas ladeiras, nas escadarias ou mesmo no porto de Valparaíso?
 Valpo - como a cidade é carinhosamente chamada pelos chilenos - é um dos mais importantes portos da América e fica a uma mera horinha de Santiago. A maioria das pessoas chega ali no famoso tour Viña del Mar+Valparaiso, o mais vendido pelas operadoras para quem quer curtir os arredores da capital chilena. O que normalmente acontece, infelizmente, é que os tours costumam passar quase o dia todo em Viña e só um tourzinho bem básico em Valpo no começo ou no final do passeio.
 "Cansei de ouvir brasileiros dizendo que essa cidade parece uma grande favela", me contou um guia. "Uma pena que não consigam ver aqui o que Neruda viu".  Gostei de Valpo desde a primeira visita, também num tour de um dia, láaaaaa na primeira vez que fui a Santiago. E a cada volta, ainda que sempre apressada, continuando adorando zanzar por aquelas ruelas. 
 É certo que Valparaíso não tem impactantes belezas naturais: não tem a Cordilheira pulsante de Santiago, não tem as pedras debruçadas no mar de Viña. Mas está ali, no seu emaranhado de casinhas velhas e coloridas, morro acima e morro abaixo, por entre pousadinhas, escadarias sinuosas, velhinhos em plena charla nos parapeitos já meio desbeiçados, namorados em DR apoiados nos muros grafitados e crianças ofegantes no sobe e desce das ladeiras, a sua beleza. 


 A maneira mais gostosa de conhecê-la, na minha opinião, é ir de carro (táxi, bus, whatever) até a parte alta e, de lá, devagarinho, devagarinho, ir descendo sem rumo, daquele jeito meio Montmartre, até o porto. No último terço do caminho, se cansar, ainda dá pra tomar o prozaico e antiquíssimo funicular (elevador, ascensor, como preferir) até a zona do comércio. E é em Valparaíso que fica também a mais legal das 3 casas de Pablo Neruda. 










 No porto, entre pescadores mil, barqueiros oferecem por 2 ou 3 dólares os tours de barco pela costa que duram aproximadamente meia hora. Mas só ficar ali, no cair da tarde, com o sol se pondo bem em frente (todo brasileiro que se preze, pela nossa própria condição geográfica, é obcecado por um bom por-do-sol, né, não?) e o céu ficando cor-de-rosa enquanto as primeiras luzes da cidade, já vale a pena. Assim, na volta, ainda dá tempo de vislumbrar os morros de Valpo iluminadinhos em direção ao mar conforme nos afastamos, rumando de volta para Santiago.

Ah! um dia ainda fico para dormir nesse lugar. 

5 comentários:

gabebritto disse...

Gostei tanto de Valparaíso que eu e a patroa cogitávamos ir para o Chile em algum feriadão APENAS para visitar a cidade, sem nem ficar nadinha em Santiago.
Mas daí a Gol acabou com o voo POA-SCL direto e ferrou tudo...

Camila Navarro disse...

Mari, eu também adorei Valparaíso e só lamento por ter passado tão pouco tempo lá. Acho que essa mania dos brasileiros de irem em excursão é que não funciona. O legal é caminhar tranquilamente, subir e descer os morros, descobrir os paseos... Passar rapidamente só para tirar algumas fotos mata a graça de qualquer lugar. Na próxima vez quero ficar mais tempo.

Julia Maria disse...

Acho que é a turma que só viaja pra Miami "porque comprar lá é barato fazer compra" que não gosta de Valparaíso. Quem gosta de viajar, de lugarzinhos, de "respirar" a cidade, certamente gosta e sempre vai gostar de cidades como Valparaíso.

Mari Sugai disse...

Voltei (apaixonada) semana passada de uma viagem ao Chile, me arrependi de ter feito o programão de 1 dia para Valpa e Viña del mar, cada cidade merece um dia (pelo menos) de passeio!
Se tivesse mais tempo, teria pernoitado em Valparaíso, meio dia é só para fazer vontade de caminhar sem rumo pelas ladeiras...

Débora disse...

O post ficou lindo, com as fotos das casinhas e grafites coloridos de Valparaíso! É uma cidadezinha encantadora, queria ter conseguido ir a casa do Pablo Neruda, deve dar ainda mais graça pro passeio.